Tag: gestão eclesiastica

Gestão Presbitério

Gestão Presbitério

Gostou? Compartilhe!
Tempo de leitura deste artigo: 3 minutos

Quando falamos em Gestão Presbitério normalmente pensamos diretamente no pastor, o que não é errado, mas não é apenas ele que faz a administração da igreja, o presbítero necessita do auxílio de outros presbíteros e pastores que fazem parte de seu ministério.

Muitas vezes nos encontramos com diversos presbíteros nas igrejas, mas não sabemos realmente quais são suas funções e no que eles contribuem para o crescimento da igreja, para isso é importante entender um pouco mais sobre Gestão Presbitério.

Primeiramente vamos falar sobre o que é um presbítero e como ele surgiu biblicamente.

Presbítero é o homem que está a disposição de atender as necessidades da igreja nos assuntos relacionados em cuidar dos membros, ensinar-lhes a palavra, orar pelas suas vidas e supervisionar os assuntos da sua congregação.

Acima de todas as suas funções os presbíteros devem sempre zelar pelo seu rebanho, sempre instruindo-os na palavra do Senhor, fortalecendo os que estão fracos, repreendendo os que cometeram algum erro é lidar com os irmãos mais trabalhosos. A missão do presbítero é cuidar dos seus irmãos da mesma maneira que fosse prestar contas para Deus.

Gestão Presbitério – Benefícios

Os pastores, presbíteros e líderes que são nomeados com o auxílio do Espírito Santo, tem o dever de manter sempre a organização da igreja(Gestão Presbitério) em todos os setores, financeiro, pessoal e profissional de seus irmãos. O controle de todas as atividades que envolvem a igreja devem estar em conhecimento do pastor(site para pastor), apenas dessa forma que a organização da igreja irá funcionar. (Veja mais sobre Administração Eclesiástica)

No Novo Testamento Jesus Cristo que é nosso pastor supremo tem como objetivo de cuidar de suas ovelhas através de outros homens, que saibam ensinar sobre a sua palavra, guardam, guiam e protegem suas ovelhas acima de tudo. Isso nos diz que mesmo a igreja estando na liderança do seu pastor, buscar por homens que estão constantemente ensinando a palavra do nosso Senhor e cuidando de outros irmãos deve ser algo comum.

Gestão Presbitério – O tempo

A gestão do tempo é muito importante. Existem 4 pilares da gestão de tempo (veja neste vídeo sogre gestão de tempo).
Outros pontos importantes são:

  • Tire um tempo para se organizar
  • Diminua a quantidade de reuniões
  • Liste toda sua programação
  • Seja compromissado
  • Utilize a tecnologia a seu favor

Dentro da igreja podemos dizer que existem algumas funções em que o presbítero é mais participativo que outros irmãos de sua congregação.

  1. Os presbíteros sempre auxiliam a resolver qualquer tipo de conflito que possa existir na igreja, a própria bíblia nos diz: “Então alguns que tinham descido da Judeia ensinavam aos irmãos: Se não vos circuncidardes, segundo o rito de Moisés, não podeis ser salvos. Tendo Paulo e Barnabé contenda e não pequena discussão com eles, os irmãos resolveram que Paulo e Barnabé e mais alguns dentre eles subissem a Jerusalém, aos apóstolos e aos anciãos, por causa desta questão” (Atos 15:1-2). Essa passagem nos ensina que os presbíteros são responsáveis por tomarem decisões, pois mesmo a questão sendo levantada e muito argumentada, essas pessoas foram aos apóstolos e presbíteros para obterem a resposta de um servo do Senhor Jesus.
  2. Uma das missões que os presbíteros possuem é sempre orar pelos enfermos para que a vontade do Senhor seja feita, como a própria palavra nos ensina: “Está doente algum de vós? Chame os presbíteros da igreja, e estes orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor” (Tiago 5:14).
  3. Os presbíteros têm o dever de liderar ovelhas é cuidar da obra do senhor sempre com humildade e sem pretensão nenhuma de ganho financeiro, devem servir ao nosso Deus pois possuem o desejo em seus corações de ajudar e pastorear o rebanho. “Aos anciãos, pois, que há entre vós, rogo eu, que sou ancião com eles e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, não por força, mas espontaneamente segundo a vontade de Deus; nem por torpe ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores sobre os que vos foram confiados, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando se manifestar o sumo Pastor, recebereis a imarcescível coroa da glória” (1 Pedro 5:1-4).
  4. O auxílio na vida espiritual de todos os membros da igreja devem ser feitos com amor pelos presbíteros que fazem parte do ministério pois eles também sao responsáveis pela vida espiritual dos irmãos da igreja, seja auxiliando-os pessoalmente ou intercedendo por eles. “Obedecei a vossos guias, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas almas como quem há de prestar contas delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil” (Hebreus 13:17)
  5. A próxima passagem bíblica que iremos ler nos fala sobre os apóstolo, mas também encontramos em 1 Pedro 5:1 que Pedro era tanto apóstolo de Jesus como presbítero. O versículo a seguir também nos mostrará a diferença entre presbítero e diácono, mas iremos focar apenas nos presbíteros neste artigo.”E os doze, convocando a multidão dos discípulos, disseram: Não é razoável que nós deixemos a palavra de Deus e sirvamos às mesas. Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço. Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra” (Atos 6:2-4).

Veja mais sobre sistema membros web

Essas são apenas algumas atribuições dos presbíteros da igreja(Gestão Presbitério), tendo sempre em mente que sua missão principal é ajudar as ovelhas da igreja sempre direcionando-as na palavra do nosso Senhor Jesus. Em outras palavras de uma forma geral, os presbíteros são os pacificadores de conflitos, responsáveis por orações, por ensinar os membros e tomar decisões que lhe são passadas pelo pastor da igreja.

Todos os irmãos que estão na função de presbítero deve ter em mente que tudo que eles fazem é para agradar a Deus, deve ser algo feito com amor e sem soberba pois a própria bíblia nos adverte caso não seja levado a sério o ministério da igreja: “Meus irmãos, não sejais muitos de vós mestres, sabendo que receberemos um juízo mais severo” (Tiago 3:1).

Hoje em dia os presbíteros também podem auxiliar seus pastores na gestão do site da igreja e das redes sociais, já que são grandes responsáveis em proclamar a palavra de Deus.

Deixo para você alguns vídeos riquíssimos que irão lhe beneficiar grandemente:

 

Gostou? Compartilhe!
Administração Eclesiástica

Administração Eclesiástica

Gostou? Compartilhe!
Tempo de leitura deste artigo: 3 minutos

Administração Eclesiástica é um estudo que é baseado na bíblia e mostra como uma igreja deve ser administrada e organizada. Em toda a palavra de Deus é nítido que existe uma estrutura organizacional e administrativa que rege e guia seu povo e sua igreja.

Para falarmos com clareza como sua igreja deve realizar a administração eclesiástica, primeiro devemos entender o conceito de administração para então colocarmos nos termos bíblicos que nos são ensinados.

O que é Administração Eclesiástica?

Administração vem do termo latim AD (direção, tendência para) e MINISTER (subordinação ou obediência), realiza o desempenho de tarefas e a direção de assuntos de um determinado grupo. O conceito de Administração é bem amplo, mas em qualquer definição existem duas palavras que são essenciais e estão presentes nos termos bíblicos: gerenciamento e organização.

Grandes estudiosos como Stoner e Feeman afirmam que a Administração é o “processo de planejar, organizar, liderar e controlar o trabalho dos membros da organização, e de usar todos os recursos disponíveis da organização para alcançar os objetivos definidos”.

A grande realidade é que administração nada mais é que uma ciência que está relacionada com qualquer atividade que envolve direção, controle, organização, planejamento e diversas outras funções. Executar a parte administrativa é interpretar todos os objetivos que são propostos pela organização e dessa maneira os transformar em uma ação organizacional por meio de organização, planejamento, direção e controle de todos os esforços que estão sendo realizados em todas as áreas e níveis da organização, com o objetivo final de finalizar as tarefas da forma mais adequada a cada situação.

Toda cooperação organizada (igrejas, empresas, ONG’s) precisa ser administrada, por esse motivo se tem os líderes administrativos de cada organização para manter o bom andamento dos propósitos que foram estabelecidos. Já em nosso caso como igrejas, o pastor e presbítero tem o dever de acompanhar os objetivos propostos pela sua igreja e transformá-los em ação através de muito planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços que os irmãos estão realizando em todas as áreas e níveis da igreja, com o propósito de conseguir realizar os objetivos propostos.

Administrar é o estudo de todos os  assuntos que estão ligados ao trabalho do pastor em relação à sua função de líder ou administrador principal da igreja em que congrega. Lembre-se sempre que a igreja é organismo e organização simultaneamente. É o tríplice aspecto: espiritual, social e econômico, organizados para atender à missão que Deus constituiu.

Administração Eclesiástica

Administração Eclesiástica

A igreja é um agrupamento de pessoas com um objetivo e um propósito definido a ser alcançado, dessa forma, desde os primeiros grupos sociais existentes foi criado a necessidade de estabelecer uma escala de comando com a função de fazer a gestão de todos os trabalhos coletivos.

Desde muito antigamente foi verificado que seria impossível apenas um homem realizar todas ou a maioria das atividades que era exigido para sua sobrevivência, ele precisava de outras pessoas para ajudá-lo a conquistar seu objetivo final. Mais importante que isso, o homem deveria saber a maneira correta de ser ajudado pelo os que lhe auxiliassem, realizando dessa forma as tarefas com eficácia e não atrapalhando o andamento delas.

De imediato nasceu um conjunto de atividades e atitudes que hoje em dia se chama administração, e com o decorrer do tempo se transformou em uma área de conhecimentos científicos. Muitos autores negam que a administração seja constituída de uma ciência na exatidão de sua palavra, mas a realidade é que toda ciência é caracterizada pelo seu conhecimento metodizado na verdade de acordo com um conjunto definido de fenômenos ou fatos.

Mesmo que alguns princípios da administração que citamos seja adotadas por nós, a igreja precisa ser guiadas por outros princípios. De acordo com sua natureza a igreja não se confunde com nenhum tipo de sociedade nem grupo ético. A corporalidade, organicidade e fraternidade nascem, estruturam-se e se perpetuam na volta de Jesus Cristo, nosso salvador e criador da comunhão dos santos. A missão da igreja é servir à Jesus pelo culto permanente e exclusivo à trindade, seja por meio do amor interno que permite a confraternização de todos os membros, pela fidelidade à bíblia sagrada, pela missão de evangelizar todos os povos e pelo testemunho cristão que deve ser permanente e incansável.

O que entendemos sobre Administração Eclesiástica?

Estes são os principais conceitos da administração eclesiástica que devemos praticar dentro da nossa igreja.

Os pastores, presbíteros e líderes que são nomeados com o auxílio do Espírito Santo, tem o dever de manter sempre a organização da igreja em todos os setores, financeiro, pessoal e profissional de seus irmãos. O controle de todas as atividades que envolvem a igreja devem estar em conhecimento do pastor, apenas dessa forma que a organização da igreja irá funcionar.

Possuir um controle de entrada e saída de membros e visitantes é essencial para sua igreja, com essa informação sua congregação será capaz de analisar a média de membros e visitantes que estão entrando e saindo e reavaliar a gestão da igreja. Verificar os pontos que estão sendo positivos e aperfeiçoá-los, já os pontos que estão negativos deve ser debatido entre a liderança cristã da igreja e com o auxílio do Espírito Santo tomar as ações devidas para que os pontos em questão sejam melhorados.

Hoje em dia existem diversos sistemas online que facilitam a administração da sua igreja. Alguns não são completos mas possuem informações básicas para dar início a qualquer atividade administrativa dentro da igreja, outros, são muito completos mas seus valores chegam a ser exorbitantes e não valem o investimento feito.

Pesquise bastante sobre o que a gestão da sua igreja está precisando nesse momento, veja os sistemas que lhe permitem flexibilidade na atualização de informações e escolha o melhor para sua igreja.

O SerDivino possui um sistema administrativo completo para sua igreja, com cadastro de membros, entrada e saída de dízimos, quantidade de visitantes e muitas outras informações.

A melhor parte é que o sistema do SerDivino é online, então os líderes das igrejas conseguem acessar de qualquer lugar, seja computador, tablet, smartphone, tudo isso é possível pelo aplicativo gratuito que é fornecido para seus clientes.

Lembrando que todos os dados ficam salvos no sistema, dessa forma mesmo que o aplicativo seja desinstalado ou o computador seja trocado as informações continuarão intactas.

Gostou? Compartilhe!
Software para igrejas

Software para igrejas

Gostou? Compartilhe!
Tempo de leitura deste artigo: 3 minutos

Sua Igreja está preparada para um software para igrejas? Acredite, é a melhor opção.

O mercado de sistemas de gestão integrados vêm passando, especialmente nos últimos anos, por um processo de customização a diversos negócios e nichos de mercado.
No passado, era bastante comum implementar softwares genéricos (não direcionados a negócios e indústrias específicas), ainda que a estrutura da empresa não fosse compatível com os processos delineados no software adquirido.

O mesmo acontece dentro da Igreja.
A Igreja pode utilizar um software genérico de gestão ou escolher um específico, feito exclusivamente para Igrejas.

Há a possibilidade de ainda ser mais específico, no caso do software ser desenvolvido ou adaptado para uma determinada Igreja, seguindo suas rotinas e cultura.
Ao escolher um software para igrejas, deve-se avaliar se a desenvolvedora possui sistema customizado para a denominação da Igreja, deve-se questionar o valor da solução e customização(caso possua) e se a solução é escalável (Se o software cresce e se adapta a Igreja).

É importante verificar qual o conhecimento da empresa desenvolvedora sobre as particularidades da sua Igreja. É importante que a empresa compreenda a cultura e rotina da sua Igreja.
Sistema para Igrejas desenvolvidos por empresas que não possuem real conhecimento cristão costumam ser excessivamente genéricos, dificultando a operação cotidiana das Igrejas usuárias.

É importante verificar se a empresa fornecedora possui experiência comprovada. É importante que ela possa apresentar clientes-chave (Cases). É importante avaliar aspectos técnicos, o fornecedor deve garantir ser capaz de migrar seus sistemas legados à nova plataforma ou integrar a nova solução à sua infra-estrutura legada.

A estabilidade e eficiência da solução, bem como o suporte (local e remoto) do fornecedor devem ser garantidos por termos contratuais.
Busque o máximo de referências sobre o produto e sobre a empresa de consultoria que irá realizar a implementação. Verifique quais funcionalidades de seu negócio não puderam ser atendidas e qual solução foi oferecida pelo fornecedor do sistema de gestão para Igrejas.

Software para igrejas

Nuvem

Nos dias atuais, é indispensável que o software para igrejas rode em meio on-line(na nuvem), isto é, que seja integrado com todos os terminais onde o software para igrejas está instalado. Seja em diversas células ou ministérios.

Entre os benefícios gerais dos programas de gestão eclesiástica “na nuvem” estão o custo menor de contratação (geralmente há opções gratuitas e pagas), a possibilidade de funcionar em qualquer computador ligado a internet, a não cobrança de licenças de software e a necessidade de menos pessoal para lidar com as rotinas de controle.

Selecionamos as funcionalidades mais comuns para se ter um software para igrejas ideal:

  • Cadastro de membros
  • Gerenciamento total de membros
  • Integração com os membros através de emails/sms/aplicativo
  • Controle de células e grupos familiares
  • Controle de eventos da igreja
  • Controle eletrônico de reuniões
  • Controle de patrimônio
  • Relatórios estatísticos e financeiros das congregações em tempo real
  • Controle de caixa com programação das finanças da igreja
  • Comunicação direta com outras igrejas
  • Acompanhamento nas atividades da igreja
  • Gerador de carteirinha de membro
  • Relatório de culto
  • Escola Bíblica Dominical
  • Obreiros
  • Financeiro
  • Agenda
  • Dízimos

Segurança do software para igrejas

A segurança dos dados é outra preocupação ao utilizar esses programas. Qualquer tipo de sistema empresarial tem vulnerabilidades, mas conhecer alguns itens são essenciais antes de começar a usar um programa.

Um dos protocolos de segurança mais comuns em “cloud computing / nuvem” é o SSL, o qual permite que aplicativos cliente/servidor possam trocar informações em segurança por meio da autenticação das partes envolvidas. Explicamos anteriormente como manter os dados da Igreja seguros na nuvem.

Gestão para Igrejas

A segurança em um software para igrejas é fundamental

Imagine que ao longo de anos utilizando um software o equipamento sofre um problema e provoca a perda de todos os dados adquiridos neste tempo, é um caos completo. Para evitar este problema é prescindível obter um backup diário de todas as informações. O backup deve estar localizado em um local diferente do software para igrejas. É possível exigir este comprometimento via contrato para sua segurança.

Treinamento do software para igrejas

É muito importante, em um processo de implementação de um sistema de gestão para Igrejas, o treinamento dos colaboradores. O treinamento deve ser executado visando qualificar seus colaboradores a um nível de aproveitamento máximo da ferramenta. A empresa deve fornecer treinamento.

Futuro do software para igrejas

Entre os especialistas de negócios e TI (Tecnologia da Informação) também há uma avaliação de que os novos sistemas de gestão preenchem uma lacuna de mercado: atender o crescimento das pequenas igrejas no Brasil.

Observando essa oportunidade que surgiram os programas de gestão para Igrejas em computação em nuvem. Alguns programas são mais genéricos e outros oferecem customização e tratam de segmentos específicos.

Para concluir, certifique-se de estudar muito bem o software para igrejasque irá utilizar.

Mantenha contato próximo a empresa fornecedora. É importante alinhar todas as funcionalidades e documentar tudo, para que não haja divergências no futuro.

Caso você tenha alguma dúvida, comente este poste, teremos a honra de respondê-lo(a).

Veja mais artigos sobre gestão:

Gostou? Compartilhe!
10 dicas para melhorar a gestão da Igreja

10 dicas para melhorar a gestão da Igreja

Gostou? Compartilhe!
Tempo de leitura deste artigo: 2 minutos

Iremos falar mais sobre gestão da Igreja, um dos pontos extremamente importante para a Igreja.

Quatro armas da distração na vida de um líder

Focaremos em 10 dicas simples que ajudarão a melhorar a gestão da Igreja.

  1. Financeiro atualizado: Mantenha o financeiro atualizado, inserindo todas as entradas e saídas de verba.
  2. Cadastro de membros: Mantenha seus membros devidamente atualizados no sistema, assim como o cadastro de visitantes e obreiros.
  3. Inventário Patrimonial: A Igreja precisa ter acesso, de forma rápida ao inventário automatizado. Deverá haver uma relação detalhada dos bens patrimoniais da Igreja.
  4. Integração: Mantenha integrado as informações do sistema com outras unidades da Igreja. Há Softwares de gestão para Igrejas que permitem cadastrar uma central e filiais, assim mantendo todas as informações unificadas e organizadas.
  5. Tesouraria: Tesouraria tem definição ligada ao financeiro: entradas e saídas de recursos, caixa, saldo disponível. A tesouraria é imprescindível na gestão da Igreja, diária dos recursos da igreja. Já a contabilidade mostra todos os fatos ocorridos, inclusive os da tesouraria registrados de maneira a evidenciar as decisões administrativas. Controladoria é o conjunto de informações para uso do administrador ou gestor, que é normalmente tirada das próprias informações contábeis, utilizando comparativos e demonstrativos analíticos específicos. É a maneira de assegurar o controle dos recursos da igreja ou organização.
  6. A responsabilidade do Pastor: A principal responsabilidade do pastor em relação às finanças é a de incentivar a criação do comitê administrativo – ou outro nome que prefira – e dedicar-se ao seu ministério. Isso se quiser ser bíblico, conforme Atos 6. Quanto ao contador ou tesoureiro, é a de assegurar que o dinheiro está sendo utilizado dentro dos propósitos e objetivos estabelecidos pela igreja. Isso ele mostra através de relatórios e demonstrativos apresentados periodicamente aos membros e ao pastor.
  7. Separe a função de pastor da função de administração ou gestão: Deve ser composto por várias pessoas. Defina regras adequadas e claras para despesas, com o estabelecimento de alçadas e limites. Que tenha o hábito de disponibilizar – e que os membros saibam que está disponível – os relatórios da tesouraria e controladoria. E, finalmente, que tenha um olhar sobre a missão e visão da igreja, comparando com a utilização de recursos destinados a cumprir essa missão, para alinhar o foco dentro dos objetivos.
  8. Calendário anual: Tenha uma agenda precisa, com programas e eventos previamente selecionados.
  9. Resultados: Pode parecer óbvio, mas se você faz a pergunta errada terá a resposta errada. Muita gente confunde planejamento com elaboração de calendário. O calendário é apenas um item do planejamento e na verdade um dos últimos, pois ele é consequência do lugar onde se deseja chegar. Elaborar um calendário anual e chamar isto de planejamento é um resultado ineficaz, pois a igreja continua girando em torno de ativismo. O resultado disto são igrejas e líderes cansados, famílias que não tem tempo para convivência pois a igreja consome todo o tempo e dinheiro delas. Outro resultado ineficaz é a igreja que movimenta-se o ano inteiro e ao final não ganhou ninguém para Jesus ou teve um crescimento pífio que não justifica o investimento de tempo, dinheiro e potencial empregados. Houve uma denominação que trabalhou um ano inteiro e descobriu que havia diminuído.
  10. Liderança: A literatura sobre liderança acaba ensinando pessoas a serem gerentes mais eficientes e não a serem líderes mais eficazes. Ensinam que liderança é trabalhar melhor com a equipe e dentro das paredes da empresa. Trata-se de uma visão míope que precisa ser mudada.

Existe alguma dica que não foi citada neste artigo? Participe e indique novas dicas.

Veja mais artigos sobre gestão da Igreja:

Gostou? Compartilhe!