Quatro armas da distração na vida de um líder

Quatro armas da distração na vida de um líder

Gostou? Compartilhe!
Quatro armas da distração na vida de um líder
5 (100%) 3 votos

No excelente livro “Fool’s Talk” de “Os Guinness”, “Recuperando a arte da persuasão cristã”, ele usou a frase “armas de distração de massa” para descrever como as pessoas hoje em dia se distraem para evitar enfrentar suas crenças inconsistentes e fracas sobre Deus e questões eternas. Ele escreve que, embora a distração possa fazer a pessoa se sentir bem no curto prazo (evitando o desconforto de crenças e comportamentos inconsistentes), é desastroso a longo prazo.

A distração em massa também é uma metáfora adequada para a forma como os líderes às vezes se desviam do chamado de liderar. Pergunte-se qual dessas quatro armas de distração de massa desvia você o máximo de liderar pessoas no seu melhor.

Atrapalha a sua vida social e espiritual

A distração em massa atrapalha mais a nossa vida do que conseguimos imaginar, vamos pensar no lado espiritual por um momento.

Algumas pessoas podem estar orando ou lendo a bíblia, dependendo da situação até mesmo dentro das igrejas, e ao invés de estarem totalmente concentradas no que se está fazendo, seja lendo a bíblia em casa ou ouvindo a pregação na igreja, pegam o celular só para dar uma “olhadinha rápida” no facebook ou em outra mídia social.

Um exemplo disso agora na vida pessoal da pessoa é algo que acontece todos os dias em diversas empresas, as pessoas estão trabalhando, seja uma atendente ou um médico, e ao invés de conceder total atenção ao cliente ou paciente, acabam olhando para o celular de forma rápida e algumas vezes até demorando, fazendo com que está aguardando sua interação fique desapontado e desconfortável.

Esses foram apenas alguns exemplos simples do que acontecem no dia a dia de muitas pessoas, por mais que pareça ser bobo , esse pequeno momento em que a pessoa desvia sua atenção do que estiver fazendo no momento, tira totalmente sua atenção e o leva a perder a linha de raciocínio em que estava.

Iremos citar abaixo quatro armas de distração em massa que muitas pessoas vivem nos dias de hoje e nem sequer se dão conta que estão sendo afetadas.

1 – Multi-tarefas

Às vezes, ficamos atraídos por pensar que podemos fazer várias tarefas ao mesmo tempo e ainda fazer mais, manter alertas de e-mail e texto quando preparamos um sermão (se você é um pastor) ou como você pensa em uma estratégia crítica como líder.

Pensamos que dar um esforço de 90% para uma tarefa importante e um esforço de 10% para uma distração equivale a 100% de nosso esforço. Na verdade, cada vez que mudamos de uma tarefa para outra e depois mudamos de volta, a soma total do nosso esforço é diluída. Nunca é igual a 100 por cento. Existe um custo cognitivo. É chamado de resíduo de atenção. É preciso tempo para que nossas mentes se desviem da distração e voltem a tarefa. E, os pesquisadores descobriram que constantemente enviar e enviar mensagens de texto diminuem temporariamente nosso QI.

Solução: desligue o telefone ou coloque-o no silencioso e os alertas automáticos como sons de computador ou televisão.

2 – Atenção parcial contínua

Linda Stone, ex-executiva da Microsoft e Apple, cunhou o termo. Ela descreve dessa maneira: “É uma contra-tendência, uma antítese ao excesso de informação e estímulos que vivemos”. Ou seja: concentrar em uma coisa de cada vez com a intenção de fazer tudo bem feito, de preferência passando algum tempo longe das distrações da internet. Para essa ex-executiva da Apple e Microsoft e uma das maiores estudiosas de atenção humana hoje, estamos deixando a era da Atenção Parcial Contínua, em que prestamos um pouco de atenção a várias coisas o tempo inteiro, para entrar na era do unifoco, em que de fato nos concentraremos nos que estamos fazendo no momento.

“Vivemos uma aceleração do tempo: tudo tem que ser rápido, imediato. Mas não se pode ter inovação sem períodos de reflexão e preguiça”, diz a filósofa Olgária Matos, professora da USP

Como resultado, esse modo “sempre ligado” coloca nossos cérebros em alerta constante, inundando-os assim com muito hormônio do estresse que retarda o processamento.

Isso também se dá ao fato de quando estivermos fazendo uma tarefa, seja no trabalho ou em casa, mas nosso pensamento está em outro lugar e outras atividades que poderiam estar sendo realizadas no momento.

Solução: Agende seu melhor tempo de pensamento em um ambiente silencioso e sem distrações. Isso irá variar de acordo com sua personalidade e distrações, algumas pessoas perdem um pouco da atenção ao ver alguém passar pela janela, se for o seu caso, feche a janela. Outras se sentem incomodadas pelo barulho e sons alheios, então é melhor ir para um local isolado e mais silencioso.

3 – Adição de dopamina

A dopamina é uma das mais de 100 substâncias químicas que estão presentes no cérebro dentro dos chamados neurotransmissores. Simplificando, um neurotransmissor é um mensageiro químico que o cérebro usa para enviar mensagens de uma célula cerebral (um neurônio) para o próximo. Como um neurotransmissor de boa sensação, ele entra em ação durante atividades que nos traz prazer – de verificar itens em sua lista de tarefas, comer uma tigela de sorvete, ver mais “likes” em suas postagens no Facebook . Também está envolvido em drogas, álcool e etc.

Embora não possamos lutar com vícios sérios como o abuso de drogas, podemos facilmente ser sugado para o vício de dopamina de mídia social quando constantemente verificamos “o que há de novo” ou “quem gosta de mim” nas mídias sociais. Quando vemos um “gostei” ou um vídeo de gato engraçado, nós conseguimos um pouco de dopamina e queremos mais, então nós continuamos navegando.

Solução: Reserve apenas alguns horários do dia para que você possa navegar nas mídias sociais por um bom tempo. Se você estiver viciado, vá em uma mídia social rapidamente para se separar dessa adição.

4 – Se esforçando para chegar a um próximo momento melhor

Este é um pouco mais sutil, mas Blaise Pascal, um filósofo cristão, o capta neste dizer: “Todos os problemas da humanidade decorrem da incapacidade do homem de sentar-se calmamente em uma sala sozinho”.

Em outras palavras, uma arma de distração em massa é a incapacidade de se manter ativo neste momento presente. Muitas vezes, somos tentados a mudar para um próximo momento melhor para escapar do momento doloroso ou chato em que estivermos vivenciando, pensando que se acabar logo irá chegar a um momento melhor, e as coisas serão melhores.

Solução: Tente a prática de atenção plena, uma prática espiritual cientificamente baseada que o ajude a aprender a viver no momento presente.

Em nosso mundo acelerado e exigente, as armas de distração de massa se mantém escondidas em todos os cantos. Quando observamos a frase de Pedro na Palavra de Deus, podemos combater essas distrações.

“Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar;.” 1 Pedro 5:8

Qual dessas armas de distração em massa o tenta? O que você acrescentaria a esta lista?

Mostre para seus amigos e conhecidos sobre esse artigo e ajude cada vez mais as pessoas a se concentrarem no que realmente importa no momento, seja dentro da igreja ou em suas atividades pessoais.

 

Use listas para organizar melhor suas tarefas

Entenda como funciona Dopamina

Vencendo o espírito de distração – Pr. Joni Henning

Tentação ou Distração? – Pr. Ranieri Sales

Gostou? Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *