Por que as igrejas criticam estratégias e táticas para melhorarem?

Por que as igrejas criticam estratégias e táticas para melhorarem?

Gostou? Compartilhe!
Por que as igrejas criticam estratégias e táticas para melhorarem?
5 (100%) 2 votos

Já ocorreu diversas vezes de algumas igrejas com sua equipe de ministério irem à seminários ou conferências, obterem grandes novas ideias para o seu ministério, aprenderem as melhores estratégias de crescimento e saber as melhores práticas para atuar dentro da casa do Senhor. Porém, não foram poucas as vezes que as demais pessoas não aprovaram as novas ideias, se opondo às novas estratégias e no final nada acontecia e tudo que se era aprendido, não era colocado em prática.

O grande ciclo: Descobrir – Tentar – Falhar e Refletir

Após fracassar em novas tentativas de melhoria para igreja, é necessário passar por um estado de reflexão para conseguir avaliar o que foi que deu errado, por que deu errado, quem foi o culpado, se foi os líderes que não souberam inserir os novos métodos, o povo que não gostou, alguns irmão que se opuseram ou simplesmente porque esse tipo de estratégia não funciona para o público alvo da sua igreja. Porém, eventualmente alguma tática nova ou estratégia de liderança irá aparecer novamente, seja em alguma conferência, reunião de membros entre outros, e após falhar, este ciclo irá se iniciar novamente.

Agora algo que é muito raro mas pode acontecer, é uma igreja fazer com que esse ciclo pare e consiga colocar em prática de forma eficiente tudo que foi aprendido, todas as estratégias e melhores formas de agir na sua localidade, que fará com que seus planos sejam bem sucedidos, sejam eles para atrair mais pessoas, ter uma certa quantidade de membros, de células e por aí vai.

Leva um tempo para que as igrejas percebam, as vezes elas sequer percebem, mas o fator principal que pode fazer as estratégias falharem ou obterem sucesso é tudo uma questão de cultura.

Estratégia na Igreja

A cultura está acima de qualquer tática ou plano de ação que uma igreja queira colocar em prática, não adianta uma igreja implementar algo que não faz parte de sua cultura, apenas porque viu outras igrejas fazendo e obtendo sucesso, e quando falamos de cultura aqui, não estamos nos referindo ao folclore, mas sim a cultura da sua igreja, os seus hábitos, como as pessoas reagem a cada nova ação e assim por diante.

Quando a igreja conseguir entender a sua cultura, como ela foi gerada, como os membros vão à igreja, como é o funcionamento dela, os cultos, festividades entre diversos outros fatores, somente neste momento será possível criar uma estratégia e um plano de ação para que a igreja cresça.

Para simplificar, iremos explicar o que é tática, estratégia e a cultura que sua igreja possa ter.

  • Táticas – Como trabalhamos (práticas e processos)
  • Estratégias – O que queremos alcançar (metas e iniciativas)
  • Cultura – Quem queremos ser (valores e visão)

Se a igreja entender esse conceito, verá que só é possível fazer suas táticas e estratégias funcionarem com base nos seus valores e visão. Um exemplo disso seria como se fosse uma empresa, digamos que os valores dessa empresa é deixar as ruas mais limpas, ela não conseguirá isso se ficar vendendo copos descartáveis e latinhas, pois sabe que infelizmente a cultura das pessoas em algumas partes é jogar o lixo na rua, então ela teria que ser uma empresa de limpeza ou de venda de produtos não descartáveis.

A cultura representa 90% de uma organização, é como se em um iceberg, a cultura fosse toda a parte de baixo que está submersa na água e as táticas e estratégias apenas a ponta que está visível deste iceberg. Adotar táticas e estratégias que não estão alinhadas com a cultura da sua igreja, fará com que repetidamente o ciclo Descobrir Tentar Falhar Refletir aconteça.

A única forma desse ciclo ser quebrado, é basear todas as estratégias e táticas da igreja em sua cultura.

Por exemplo, uma igreja não pode implementar um programa de discipulado quando o discipulado não é um valor da cultura desta igreja.

Se a igreja realmente quiser que uma estratégia de discipulado funcione em sua congregação, ela terá que redefinir a identidade da igreja (cultura), e não apenas implementar novos programas na igreja (táticas).

Uma excelente forma de aprender novas táticas e estratégias que possam funcionar para o ambiente da sua igreja é visitando seminários e conferências, através desses locais será possível conhecer outros pastores com diversas ideias e algumas delas de acordo com sua cultura ou que ajude na mudança da cultura da sua igreja.

Essa foi a primeira parte de uma grande questão, o que vem a seguir é entender o porque das igrejas sempre criticarem essas estratégias para a melhoria da igreja.

Por que as igrejas criticam as mudanças da sua congregação?

É comprovado por diversos estudos que o ser humano se adapta facilmente a um estilo de vida, porém mudar esse estilo de vida causa desconforto e a grande maioria não consegue suportar esse desconforto até que chegue no estágio que seja normal para o seu estilo de vida.

Da mesma forma ocorre nas igrejas, elas estão acostumadas a sempre ter um culto da mesma forma, com uma palavra sempre de benção, com lindos louvores, porém se esse hábito mudar e Deus mandar uma palavra de exortação, muitos não irão gostar e poderão até dizer que essa palavra não veio da parte do Senhor.

Esse é um dos grandes motivos que as igrejas são criticadas quando tentam mudar sua cultura e se adaptar ao novo, mesmo que isso seja uma grande melhoria para a igreja, sempre haverá críticas, até que chegue o ponto que essas críticas não farão mais efeito e todos se acostumarão com a nova cultura da igreja, com seu novo estilo de gestão entre outros.

Por isso, caso alguma igreja que você conheça esteja passando por mudanças, ore primeiro à Deus e depois disso, se adapte às mudanças, não é porque é algo novo que irá fazer mal para sua igreja.

Gostou? Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *