Sucessão pastoral – Considerações Todos os pastores precisam pensar por AGORA

Sucessão pastoral – Considerações Todos os pastores precisam pensar por AGORA

Gostou? Compartilhe!
Tempo de leitura deste artigo: 7 minutos
Sucessão pastoral – Considerações Todos os pastores precisam pensar por AGORA
5 (100%) 1 voto

Eles dizem que há duas certezas na vida: morte e impostos. Brincadeiras a parte, se você estiver na liderança da igreja, sabe que há uma terceira certeza na vida: mais cedo ou mais tarde, sua igreja enfrentará a realidade da sucessão. Pastores, a menos que você vá viver para sempre ou Jesus venha nos receber em breve, você, em algum momento, se afastará desse papel e precisará de um sucessor.

Entrevistamos o Pr. Josiel que teve a oportunidade de caminhar ao lado de muitas igrejas enquanto planejam seu futuro, seja criando planos de sucessão feitos sob medida para eles (se a sucessão estiver à vista), elaborando planos de sucessão de emergência para a equipe ( se nenhuma sucessão estiver à vista), ou realmente encontrar seus futuros líderes e funcionários.

Sucessão Pastoral

Através do trabalho ajudando as igrejas a caminhar através de planos de sucessão (ou sendo chamado para ajudar as igrejas após uma sucessão de liderança que foi mal ), Pr. Josiel percebeu o que alguns dos pastores mais inteligentes estão fazendo em relação à sua (eventual) sucessão. Foi realizada muita aprendizagem e pesquisa para ser o melhor recurso possível para as igrejas que enfrentam essa questão-chave segundo o livro do americano William Vanderbloemen, NEXT: Sucessão pastoral que funciona (apenas em inglês).

Se você é um pastor, se você vê ou não sua sucessão em seu futuro, esta publicação é para você. Abaixo estão as considerações que todos os líderes inteligentes da igreja começam a pensar mais cedo ou mais tarde.

1. Ninguém começará a discussão, a menos que você comece.

Ou, se o fizerem, será sem você na sala. A sucessão é, com razão, um assunto delicado, e muitos pastores o evitam por muito tempo. Mas quando você começa a discussão, não há apenas uma chance maior de sucesso, mas você pode falar sobre a transição, o que achamos que é extremamente valioso para uma sucessão suave. Ore por ele e então comece a discussão com sua liderança superior.

2. Não há uma única fórmula para o planejamento efetivo de sucessão.

As pessoas geralmente procuram o “grande segredo” do planejamento de sucessão. No entanto, não há nenhum segredo. É uma arte, não uma ciência. Todo plano de sucessão depende de muitos fatores contextuais. Identificamos várias  variáveis-chave que cada igreja deveria pensar ou planejar, mas mesmo com essas variáveis, a equação é um pouco diferente para cada igreja e cada líder.

3. Obter um conselho objetivo é inestimável.

William Vanderbloemen disse muitas vezes: “Todo mundo quer falar sobre planejamento de sucessão até que seja seu”. Embora sua participação e insumos sejam absolutamente essenciais para uma transição perfeita e efetiva, sabemos que nenhuma igreja é capaz de abordar esta questão sozinha. É praticamente impossível que um pastor seja totalmente objetivo em relação à sua própria sucessão. Procure conselhos objetivos de um terceiro, seja um consultor, sua denominação ou rede, ou um colega pastoral fora de sua igreja. No fundo, nenhum cirurgião realizaria um transplante cardíaco em si mesmo – e uma transição pastoral bem sucedida é tão delicada e séria quanto.

4. Uma boa administração de sua igreja e sua família ajuda a ter o tempo de pensar sobre o seu futuro.

Uma das principais razões pelas quais vemos sucessões fracassadas é porque o pastor cessante não tinha um plano. Não pensar nisso agora e começar a criar um plano afetará seu corpo da igreja e sua própria família. Se você pode começar a se preparar para essas coisas agora, eu prometo que toda essa transição será melhor para você e sua família, mas sua igreja também.

5. Mesmo que você esteja no longo prazo, as emergências acontecem.

Você ainda pode ter anos e anos de ministério deixados em você. Mas o que aconteceria com a sua igreja se, perdoe a morbidade, você foi atingido por um ônibus hoje? E se um líder chave desistiu, morresse ou ficou muito doente? Embora o planejamento de longo prazo não seja uma necessidade imediata de todos neste momento, o planejamento de emergência é . Se dissermos uma vez, dissemos um milhão de vezes: “Todo pastor é um pastor interino”.  Aproveite o tempo para investir, mesmo o mais simples de um plano de emergência. Quem inicia inicialmente seus papéis de liderança em uma emergência? Quais são os próximos passos para preencher papéis a partir daí? Como você, como igreja, tomará essas decisões? Qual é o seu plano de comunicação em tempos de transição ou de emergência?

Perguntas a fazer na entrevista ao pastor candidato:

  1. Casado a quanto tempo?
  2. Fale sobre sua formação Acadêmica
  3. Trabalhou em empresas seculares? Quais foram suas funções?
  4. Trabalhou na denominação Batista? Quais foram suas funções?
  5. Foi professor ou lecionou em alguma instituição? Quanto tempo?
  6. Exerce alguma atividade fora da denominação evangélica batista?
  7. Como consegue conciliar função de Pastor com as obrigações de família e seculares?
  8. O que gosta de fazer como atividades de lazer, entretenimento e bem estar?
  9. Possui convênio médico pessoal e familiar? Quanto tem custado?
  10. Tem familiares evangélicos não participantes dos trabalhos regulares da igreja ?
  11. Qual o seu projeto de trabalho com relação às famílias da Igreja
  12. Relate sua experiência como aceitou a Jesus Cristo em sua vida.
  13. Relate sua chamada ao Ministério da Palavra?
  14. O que mais gostava de fazer na época de seminarista?
  15. Onde e quem foram os pastores que estiveram presentes em seu concílio?
  16. Onde e como foi sua primeira experiência pastoral, após a ordenação?
  17. Por que quer deixar o pastorado da sua atual Igreja?
  18. Quais juntas e agências de evangelismo e missões que mantém contatos constantes ?
  19. Trabalhou com outros ministros  na mesma Igreja? Como foi a experiência?
  20. Escreveu algum opúsculo, folheto ou livro na área de evangelismo e missões?
  21. Qual tem sido a aceitação do seu trabalho no setor de evangelismo e missões?
  22. Atualizou, re-escreveu ou modificou Estatuto ou Regimento de Igreja que frequentou?
  23. Qual sua opinião sobre o trabalho do Ministro de Música?
  24. Já trabalhou em parceria com algum Ministro de Música?
  25. Possui plano de trabalho elaborado para esta Igreja?
  26. Caso afirmativo, descrever o projeto, metas e fundamentação bíblica.
  27. Quais alvos concretos específicos podem ser medidos e avaliados em seu projeto?
  28. Quanto tempo será suficiente para desenvolver seu plano de trabalho nesta Igreja?
  29. Qual sua consideração sobre o método “Igreja com propósitos?”.
  30. Como foi sua chamada para o ministério?
  31. Fale-nos um pouco sobre sua família e a relação dela com o seu ministério.
  32. Qual seria o seu dom espiritual preponderante?
  33. Em que momentos de sua vida o irmão experimentou maior crescimento espiritual?
  34. Em seu ministério, em quais as áreas da igreja o irmão tem percebido maior progresso?
  35. O irmão poderia falar um pouco sobre sua prática devocional, sobre como discerne a presença e a vontade do Senhor?
  36. Há algum ponto da Declaração Doutrinária da CBB ou da prática batista com o qual o irmão não concorda plenamente?
  37. Como o irmão definiria sua pregação? É mais expositiva ou temática? Como o irmão faz para, pessoalmente, crescer nesta área?
  38. Como tem sido a vida devocional da igreja dirigida pelo irmão?
  39. Qual a taxa de crescimento por batismo em seu ministério?
  40. Poderia comentar sua visão quanto ao evangelismo, adoração, educação religiosa e ação social?
  41. O irmão teria alguma opinião formada sobre o ministério colegiado e trabalho em equipe?
  42. Como a igreja deve participar da vida política na cidade?
  43. Como o irmão considera a participação denominacional da igreja?
  44. Como deve a igreja tratar as controvérsias?
  45. Qual a sua visão quanto ao dom de línguas e outras ênfases pentecostais?
  46. Como o irmão tem lidado com lutas na igreja por conta de estilos de culto?
  47. O que o irmão entende por ministério de dedicação exclusiva?
  48. O irmão entende que a igreja precisa aplicar disciplina em certos casos?
  49. Qual a sua visão quanto às assembleias deliberativas da igreja?
  50. Que reclamações fazem os que discordam de seu estilo ministerial?
  51. O irmão é comprometido com o dia de descanso e com suas férias?
  52. O que o irmão espera de sua igreja?
  53. O que o irmão enumera como os pontos que mais prejudicam a paz e a fraternidade na igreja?
  54. O que é integridade?
  55. O que um pastor pode fazer para guardar sua reputação?
  56. Como tem sido o envolvimento das igrejas sob o seu ministério com a obra missionária? Quais as ofertas com relação ao orçamento da igreja? Quantas novas igrejas organizadas?
  57. Em sua opinião, como deve ser a vida financeira de um pastor?
  58. Qual sua consideração sobre o método “Igrejas em células?”.
  59. O que entende ser o termo “Igreja evangélica tradicional”?
  60. Qual sua opinião sobre o atual ensino da Escola Bíblica Dominical?
  61. A Igreja deve investir em literatura ou apenas o estudo da Palavra de Deus?
  62. As organizações internas de treinamento devem prosperar? Ou tem uma outra visão ?
  63. Que textos bíblicos justificam o funcionamento das organizações internas?
  64. Cite rotinas e tarefas indispensáveis para coordenação da área administrativa da Igreja?
  65. Pessoalmente, se considera dizimista e ofertante? Por que?
  66. Quanto tempo dedica as tarefas de ordem financeira e administrativa?
  67. Tem o hábito de elaborar ou revisar as atas de reuniões?
  68. O que costuma fazer com os relatórios produzidos pelos lideres de áreas da igreja ?
  69. Os dízimos devem ficar expostos em quadro próprio? Por que?
  70. Opine sobre contribuições financeiras especiais relativas a eventos específicos
  71. Costuma organizar eventos (bazares, festas, viagens) para arrecadar recursos para a Igreja ?
  72. Qual a forma de recebimento de honorários pastorais que gostaria de ver aplicada ?
  73. Entende ser importante a formação do fundo ministerial?
  74. Qual faixa salarial entende ser apropriada para sua manutenção no Ministério?
  75. Imagina o tempo ideal de duração de um Ministério Pastoral fecundo ?

Segundo o Pr. Walmir Vieira (Diretor Geral da CBC), veja o perfil ideal para um sucessor:

  1. Que demonstre claras evidências de um cristão convertido, tenha razoável experiência, tempo de vida cristã e convicção de chamada divina para o pastoreio (1 Timóteo 3.6);
  2. Que seja formado, pelo menos, em Teologia por uma instituição reconhecidamente batista;
  3. Que seja afiliado e esteja em dia com a Ordem dos Pastores Batistas de seu campo;
  4. Que seja preferencialmente casado, em vias ou com vistas de se casar (1 Timóteo 3.2);
  5. Que seja, de preferência, não divorciado, principalmente se o divórcio teve como causa a infidelidade conjugal de sua parte;
  6. Que demonstre capacidade de trabalhar em equipe e se mostre um líder democrático, capacitador, exemplar, participativo e de fácil relacionamento. E, se não tiver o dom da administração, saiba, no entanto, humildemente, contar com a ajuda de pessoas abalizadas para tanto (1 Pedro 5.3);
  7. Que demonstre interesse em prosseguir seus estudos após sua formatura em Teologia, bem como evidencie seriedade e profundidade na preparação de seus sermões e estudos para a igreja (1 Timóteo 3.2);
  8. Que tenha seu nome limpo nos órgãos de proteção ao crédito, tenha bons antecedentes e esteja adimplente nas instituições nas quais estudou ou das quais se beneficiou (1 Timóteo 3.7a);
  9. Que tenha exercido o último ministério pautado nos princípios e doutrinas batistas, tenha mantido sua igreja fiel em suas contribuições missionárias e no programa de cooperação denominacional e que a igreja tenha experimentado progresso;
  10. Que comprove o exercício fiel do ministério em seu último pastoreio e integridade profissional na última instituição na qual atuou;
  11. Que tenha, preferencialmente, sua família nuclear integrada na igreja e evidencie cuidado com ela (1 Timóteo 3.4);
  12. Que assuma compromisso, por escrito, de se manter fiel às doutrinas e princípios batistas e de, dignamente, se desligar da igreja, sem provocar divisão ou se apropriar do patrimônio, caso venha assumir uma posição diferente dos documentos norteadores do pensamento da Convenção Batista Brasileira (Tito 1.9).

Como uma igreja batista é autônoma, na hipótese de um futuro pastor agir de modo inadequado e trabalhar com manipulação, a igreja ficará mais vulnerável se o pastor não for membro da Ordem dos Pastores. Exija que o futuro pastor seja membro da Ordem dos Pastores e inclua uma cláusula no estatuto da igreja que leve à perda do pastorado e da presidência da igreja, automaticamente, se ele for excluído da Ordem. O artigo acima foi extraído do site da Convenção Batista Capixaba, a quem somos gratos.

Modelo de carta convite sucessão pastoral

Cidade, data.
Prezado pastor ____________
“Estabelecerei sobre eles pastores que cuidarão deles. E eles não mais terão medo ou pavor, e nenhum deles faltará”,
declara o SENHOR. (Jer. 23:4)
Saudações no Senhor
É com enorme alegria que comunicamos ao irmão que a NOME DA IGREJA, em assembléia extraordinária,
especialmente convocada para tratar do assunto de escolha de pastor, decidiu por unanimidade convidar o irmão para
ser o seu pastor titular e o seu presidente.
Mesmo desejado oferecer mais, como é digno, nosso orçamento permite oferecer para o seu sustento a quantia
de R$ __________ mensais, além das vantagens tradicionais: 13o, INSS, FGTM, 1/3 sobre as férias, verba para
combustível e telefone e a casa.
Quanto à escolha da casa, desejamos fazer em comum acordo com o irmão e sua família.
Quanto ao FGTM, o irmão poderá escolher depositar em uma poupança em nome da Igreja e do irmão,
conjuntamente, para ser retirado no dia em que o irmão deixar o ministério ou poderá abrir uma conta de previdência
complementar, a seu critério.
Fazemos questão que o irmão tire um dia semanalmente para descanso, a seu critério, e um mês de férias,
anualmente, que poderá ser dividido em dois períodos, se desejar.
Fazemos questão também que, conforme recomendação da OPBB, o irmão participe, preferencialmente duas
vezes por ano, de oportunidades de capacitação ou treinamento. Nossa igreja terá prazer em custear estas despesas,
mediante possibilidades orçamentárias. É importante que o irmão esteja integrado à OPBB e nos ajude a, como igreja,
estarmos integrados à CBB e às suas organizações.
Nossa oração continua é que o Senhor oriente a sua decisão.
No Senhor Jesus
Assinaturas do presidente em exercício da Igreja e do Secretário de Atas.

Modelo de Termo de Posse do Pastor

Nome do Pastor Diante do Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito, e da assembleia solene da Igreja________________, eleito pelo voto democrático desta igreja, e consciente da vontade de Deus para minha vida e meu ministério, eu, [nome do pastor], brasileiro, estado civil, portador da cédula de identidade _____________, expedida pelo _____________, em ____________ e CPF _______________, residente e domiciliado na Rua_________________________ – CEP __________, assumo o pastorado e a presidência da Igreja__________________, e prometo: Depender de Deus, da graça de Jesus Cristo e do poder do Seu Espírito para o exercício do meu ministério e direção desta igreja; Aceitar a Bíblia Sagrada como única regra de fé e conduta e repositório da verdade que hei de pregar, ensinar e compartilhar em meu ministério; Aceitar como fiel às Sagradas Escrituras, a Declaração Doutrinária da Convenção Batista Brasileira; Aceitar, cumprir e fazer cumprir o Estatuto da Igreja____________________ e suas normas administrativas; Dedicar-me à pregação e ao ensino da Palavra de Deus, todos os dias de meu pastorado, alimentando-me e alimentando o meu povo com as Sagradas Letras, interpretadas à luz da Pessoa e dos Ensinos de Jesus Cristo; Se um dia e por desventura descrer da Palavra de Deus e das doutrinas de nossa fé, deixar o ministério e, em paz, a Igreja de Jesus Cristo; Cuidar da vida espiritual e o adequado sustento de minha família, de modo que não seja réprobo perante a igreja que venha e ensinar e pregar. Nome e assinatura do Pastor
 

Se pudermos ajudá-lo a pensar em qualquer um desses aspectos de sucessão, entre em contato conosco diretamente.

Quais são as outras considerações que os pastores devem pensar em relação à sucessão de liderança? Comente!

Gostou? Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *